Centro de Equoterapia é inaugurado na UNG e inicia atendimento a pacientes

Foto: Pedro Lacerda

O Centro de Equoterapia Univeritas/UNG teve seu pontapé inicial dado na manhã de ontem. O tratamento, que será conduzido por estudantes das áreas da Saúde (como Fisioterapia, Medicina Veterinária e Psicologia) acontecerá no campus Dutra da instituição e tem como objetivo a melhoria da coordenação motora e desenvolvimento psicológico de crianças com patologias específicas e necessidades especiais.

Atualmente, 40 vagas estão disponíveis e três cavalos já estão alocados no local para início imediato. O evento de inauguração contou com a presença do prefeito Guti, do vice-reitor da Universidade, Eloi Lago e do secretário de Saúde, Sérgio Iglesias.

O prefeito por sua vez discursou pouco antes da inauguração oficial do centro, arriscou algumas voltas em cima do cavalo na área destinada ao curso e ressaltou os parceiros que viabilizaram o projeto, além do fato deste centro ser pioneiro no município.

“É um marco para Guarulhos, somos os primeiros a iniciarmos este tipo de serviço. A prefeitura não expedirá nenhuma verba pública, graças à iniciativa privada e também pela parceria com o grupo Ser Educacional e a UNG, isso vai gerar economia nos cofres públicos, visto que o investimento feito para agendamento de exames era alto, além disto, o próprio cidadão não gastará entre R$ 100 e R$ 140 em uma sessão de equoterapia”, expressa.

Iglesias foi enfático ao dizer que “os pais que sentirem a necessidade de levar seus filhos a este tipo de terapia, terão que recorrer às Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde terão avaliação médica adequada, para que se caso houver a necessidade clínica, receberem um relatório para assim se inscrever naturalmente no centro, sem qualquer necessidade judicial”.

O vice-reitor coloca dois pilares como fundamentais neste projeto: o atendimento à população e a disponibilidade de oferecer trabalho prático aos alunos da universidade. “Todo esse serviço que é feito para pessoas que não possuem condições de realizar essa terapia em convênio particular, também serve como um campo de estágio para o nosso aluno, que vislumbra na prática, aquilo que ele aprende na teoria”, destaca Lago.

Foto: Pedro Lacerda