Candidatos à Prefeitura de Guarulhos participam de sabatina ACE – Eleições 2020

Os 12 candidatos à Prefeitura de Guarulhos participaram nesta quarta-feira (14) da Sabatina ACE – Eleições 2020. Por causa da pandemia do coronavírus, o evento não foi aberto ao público na forma presencial, mas teve transmissão ao vivo, pelas redes sociais da entidade e também pelo Facebook da Folha Metropolitana.

Os prefeituráveis responderam a seis perguntas que compõem o Termo de Compromisso da ACE, com as demandas da classe empresarial da cidade. A sabatina foi dividida em três blocos sendo o primeiro com a participação de Adriana Afonso (PL), Elói Pietá (PT), Sandra Santos (PDT) e Jovino Cândido (PV); o segundo com Fran Correa (PSDB), Simone Carleto (PSOL), Néfi Tales Filho (PSL) e Auriel Brito (PC do B); e o último com Rodrigo Tavares (PRTB), Guti (PSD), Eduardo Barreto (PROS) e Wagner Freitas (PTB).

Dentre os assuntos discutidos, Adriana Afonso afirmou que, ao invés de criar uma Secretaria de Desburocratização como sugeriu a ACE, reduzirá ainda mais o número de secretarias, além de cortar aluguéis. Segundo ela, caso eleita, a prefeitura deixará de pagar por espaços alugados em três anos.

Elói Pietá assegurou que irá propor uma mudança na lei de zoneamento para evitar que os bairros Haroldo Veloso e Cidade Seródio sejam separados devido a implantação do trecho Norte do Rodoanel

Já Sandra Santos destacou a necessidade do investimento na indústria 4.0 e na qualificação dos profissionais para fomentar a economia da cidade. Ela afirmou que é preciso implantar a disciplina de empreendedorismo nas escolas públicas, para que as crianças aprendam a importância do modelo.

Jovino Cândido se mostrou favorável a criação de uma Secretaria de Desburocratização, indicada pela ACE. Além disso, ele criticou as obras do trecho Norte do Rodoanel, afirmando que é necessária uma cobrança maior junto ao governo estadual.

Fran Correa se disse favorável a inclusão da disciplina de empreendedorismo na rede municipal, proporcionando essa oportunidade às crianças. Segundo ela, não tem como pensar em uma cidade desenvolvida, sem desenvolver as crianças.

No encontro, Simone Carleto destacou a necessidade de uma diferenciação entre as instalações dos imóveis e sua localização no que tange a cobrança do IPTU. Ela também defendeu o uso da criatividade para a aplicação do valor arrecadado pela prefeitura.

Néfi Tales Filho aproveitou a oportunidade para anunciar que pretende criar um Centro de Exposições e Convenção Internacional de Guarulhos e gerar 40 mil empregos por meio dessa iniciativa.

Auriel Brito ressaltou a necessidade de utilizar o valor arrecadado com o IPTU para o desenvolvimento da cidade. De acordo com ele, o aumento abusivo ao longo dos anos – principalmente na gestão do petista Elói Pietá – foi terrível para os guarulhenses e muitos continuam endividados até hoje.

No que tange as medidas mitigatórias questionadas pela ACE, Rodrigo Tavares destacou que quanto mais empregos e valor adicionado elas trouxerem para o município, menor elas devem ser. De acordo com ele, é importante que Guarulhos tenha uma melhor zeladoria, além de medidas que consistem em trazer o progresso como iluminação, pavimentação asfáltica, entre outras.

O atual prefeito e candidato a reeleição, Guti, destacou as medidas já adotadas que permitirão a implantação do Parque Tecnológico de Guarulhos. Segundo ele, há conversas avançadas com o Ministério de Ciência e Tecnologia para que o parque na cidade tenha sua estrutura baseada na indústria farmacêutica.

Eduardo Barreto destacou que não se pode discutir a implantação de novos empregos no município sem discutir antes a implantação de um Parque Tecnológico que funcione na cidade. Para ele, a solução para a implantação definitiva do parque é uma parceria com a iniciativa privada e instituições de ensino.

Wagner Freitas destacou que a cidade não tem desenvolvimento, o Plano Diretor não funcionou e não há um gestor pensando no futuro da cidade. Além disso, ele se disse contrário a criação de uma Secretaria de Desburocratização, afirmando que o necessário é desburocratizar os postos de saúde que, segundo ele, demoram entre oito meses a um ano para agendar uma consulta.