Câmara mantém veto de projetos relacionados as mulheres

Rômulo Magalhães

Na semana do Dia Internacional da Mulher, a Câmara Municipal manteve os vetos da prefeitura de seis projetos relacionados diretamente as mulheres de Guarulhos. Os projetos foram discutidos ontem, na nona sessão ordinária.

Entre os projetos há o que “dispõe sobre a Política Municipal de Formação e Capacitação continuada de mulheres para o mercado de trabalho”, da vereadora Janete Rocha (PT).

“Acho que faltou aos técnicos da prefeitura sensibilidade sobre os problemas da mulher. Todos os projetos que foram vetados, foram discutidos em outubro, que é o mês da mulher. Acho uma pena e, principalmente, que coincida com a semana da mulher”.

A vereadora petista ainda propôs mais quatro projetos que beneficiam as mulheres. Apenas o que “obriga as maternidades a permitir a presença de doulas (acompanhantes) durante todo o período de parto”, teve o veto derrubado.

Outro PL que teve o veto derrubado foi da vereadora Carol Ribeiro (PMDB). Ela propõe a autorização do poder executivo “a realizar, de três em três meses, mutirão para a realização gratuita de exames de prevenção ao câncer de mama”.

Líder do governo diz que motivo dos vetos é financeiro

Líder do governo no Legislativo, o vereador Eduardo Carneiro (PSB) disse que o principal motivo de a Câmara Municipal manter os vetos da prefeitura em projeto das mulheres é a despesa financeira. “E sem mostrar de onde vai sair o dinheiro”, disse.

“Cada projeto é avaliado tecnicamente. Criar fundos gera despesas. É vício de inciativa. Não tem como prosperar. Em situações especificas, o mérito é muito grande e por isso derrubamos o veto”, comentou.

Apesar de manter o veto para a Criação do Fundo Municipal dos direitos da Mulher, alegando despesas financeiras, na mesma sessão a Câmara derrubou o veto que “Cria o Fundo Especial de Manutenção do Corpo de Bombeiros”.