Câmara economiza e garante repasse de R$ 5 milhões aos hospitais Stella Maris e Jesus José e Maria

Foto: Karina Yamada PMG
- PUBLICIDADE -
Corrida Folha Metropolitana

O presidente da Câmara Municipal de Guarulhos, Ticiano Americano (Cidadania), assinou na última terça-feira (24) um documento que garante o repasse orçamentário de R$ 5 milhões para os hospitais Stella Maris e Jesus José e Maria. As negociações começaram há alguns meses, quando as duas instituições pleitearam o reajuste na subvenção, sem atualização há sete anos.

Segundo Ticiano Americano, o Legislativo realizou uma contenção de despesas para possibilitar o remanejamento dos recursos. “Há alguns meses estamos conversando com os representantes dos dois hospitais e vimos que estavam faltando recursos para eles fecharem as contas no final do ano, então nos esforçamos para ajudar as instituições, que tanto beneficiam a população da nossa cidade”, afirmou.

Para a presidente do Hospital Stella Maris, madre Vitória de Nazareth, o dinheiro doado possibilitará a compra de insumos imprescindíveis para a realização de cirurgias cardíacas. “Esse repasse é muito bem-vindo, apesar de que o valor necessário é de R$ 7 milhões, mas esse recurso vai diminuir nossa angústia para garantir a compra de materiais e insumos indispensáveis ao atendimento.”

De acordo com o vice-presidente da Associação Beneficente Jesus, José e Maria, Luis Roberto Mesquita, o repasse é importante, sobretudo, no final do ano, quando os gastos com a folha de
pagamento aumentam. “É de fundamental importância o encaminhamento desses recursos no final do ano, pois temos as despesas com 13º e não queremos interferir na prestação de serviços; estamos há sete anos com a mesma subvenção, mesmo com a elevação dos custos dos insumos pós pandemia”

O presidente da Comissão de Saúde e de Finanças e Orçamento, vereador Geraldo Celestino (PMN), participou do encontro e explicou que os recursos serão encaminhados ao Poder Executivo. A Prefeitura enviará um Projeto de Lei à Câmara para remanejar o orçamento; depois a proposta será deliberada pelas Comissões e votada pelos parlamentares em Sessões Extraordinárias; só então, o dinheiro público será transferido para os hospitais.

Durante a reunião, as duas instituições manifestaram a intenção de garantir uma divisão igualitária dos recursos, posto que a necessidade de ambas para reposição do déficit orçamentário pela falta de reajustes dos repasses é de aproximadamente R$ 7 milhões. A divisão equânime garantiria, ao menos, 35% dos recursos pleiteados para ambas. O presidente também reiterou que novos ajustes orçamentários estão em andamento no Legislativo, para possibilitar um novo repasse no final do ano, mas ainda não é possível estabelecer qual valor será disponibilizado.

- PUBLICIDADE -