Barreto declara apoio ao prefeito Guti na disputa do segundo turno em Guarulhos

Candidato do Pros na eleição para a Prefeitura de Guarulhos, Eduardo Barreto publicou, em suas redes sociais, um vídeo na noite desta terça-feira (17) declarando apoio à reeleição do prefeito Guti neste segundo turno. Para o apoio, ele apresentou três propostas para serem incluídas ao plano de governo do prefeito, que foram aceitas por Guti.

A primeira é que a prefeitura envie um projeto de lei à Câmara Municipal obrigando a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) a instalar um dispositivo que impede a passagem de ar nas torneiras. “Sabemos que 40% da conta de água que você paga é ar e não água. E o prefeito aceitou esse encaminhamento, bem como os outros dois”, disse Barreto.

“O segundo é uma maior fiscalização desses pancadões que tanto infernizam a vida dos guarulhenses na cidade. Discutimos a possibilidade da compra de um caminhão de jato d’água, daquele que é usado para dispersar multidões nas aglomerações”, explicou.

Já o terceiro encaminhamento foi à implantação de um hospital veterinário público. “O prefeito disse que nesse primeiro momento não terá como fazer isso porque não há recurso. Mas que já nos primeiros anos será feita uma clínica veterinária pública muito bem equipada. Então, diante disso eu tomo minha decisão de apoiar o Guti no segundo turno”, afirmou.

Barreto aproveitou, ainda, para explicar os motivos que o levaram a não declarar apoio ao ex-prefeito petista, Elói Pietá. “Muitos dizem de como foi o governo do Pietá, mas sabemos que o ex-prefeito governou numa época em que a economia chegava a crescer 7% ao ano, além disso, ele tinha o telefone do ex-presidente Lula e conseguia verba para Guarulhos com muita facilidade. Infelizmente não vai mais ser assim, porque nós sabemos das questões partidárias que existem entre o governo federal e o PT e também entre o PT e o atual governo do estado. Então, diante disso, para a nossa cidade não ficar isolada e não ficar sem recursos federais e estaduais, isso pesou em minha decisão, porque política também é razão e não só emoção”, destacou.