Bancos de tecido estão na moda

Da Redação

Em um passado não muito distante, carro de luxo vinha, obrigatoriamente, com bancos de couro. Enquanto isso, o tecido ficava reservado aos chamados “populares”. Mas as coisas estão mudando. A evolução dos tecidos e uma maior consciência ecológica vêm favorecendo o desenvolvimento de revestimentos internos de tecido. E isso inclui veículos de luxo.

É o caso, por exemplo, do recém-lançado Porsche Cayenne Coupé. O SUV alemão, que tem tabela a partir de R$ 459 mil, pode vir com bancos de tecido, no padrão denominado Pepita, vendido como opcional.

Uma das provas de que o jogo está virando é que os bancos de couro são de série e os de tecido, opcionais (e caros). Caso o cliente acrescente pacote Sport Leve, que custa cerca de R$ 76 mil, leva itens como teto de fibra de carbono, rodas especiais e escapamento esportivo, além de assentos com a parte central revestida de tecido.

O Cayenne Coupé não é exceção. De acordo com o gerente de produto da marca alemã, Leandro Rodrigues, até mesmo o novíssimo esportivo elétrico Taycan tem uma opção “livre de couro”. Nesse caso, nem mesmo o volante e a alavanca de câmbio receberam cobertura de pele – algo comum até em veículos mais baratos.

Rodrigues diz que mesmo o 911 tem opção com assentos de tecido. Ele acrescenta que a Porsche está utilizando materiais alternativos ao couro, caso dos revestimentos denominados Sport Tex e Dinamica. Os dois são sintéticos, sendo que o segundo é uma espécie de opção ao Alcantara, material feito a partir de microfibras de poliéster.

O híbrido Volkswagen Golf GTE, que acaba de ser lançado no Brasil por R$ 199.990, vem da Alemanha exclusivamente com interior revestido de tecido preto e azul. O hatch segue uma tradição dos esportivos das linhas Golf e Polo (GTI), marcadas pelos acabamentos de tecido com padronagem jovial.

Ainda entre os esportivos, o Civic Si tem bancos de tecido que privilegiam o bom apoio ao corpo em curvas. O canadense da Honda sai por R$ 164.900.


Tecido e couro

Algumas marcas mesclam diferentes tipos de materiais nos revestimentos internos de seus carros. É o caso da BMW. O X2 M35i, por exemplo, pode vir com bancos esportivos de Alcantara nas laterais e uma faixa central de tecido. Além de melhorar o aspecto, isso reduz a energia eletrostática, de acordo com informações da marca.

A Volvo vai na mesma linha. O novo sedã S60, que está chegando ao Brasil por preços a partir de R$ 195.950, tem bancos que misturam revestimento de couro na parte central e material sintético nas laterais, ressaltando o visual da cabine. Até mesmo o Toyota Century, um enorme sedã executivo que é símbolo de status no Japão, continua fiel ao revestimento interno feito de tecido.

Imagem: Divulgação