Às vésperas do tour dos Tribalistas, Arnaldo Antunes fala sobre novo disco

Da Redação

Arnaldo Antunes é um artista inquieto. Da música, da poesia, das artes visuais. Em seus projetos musicais, há sempre uma nova busca, um novo caminho, um reinventar em uma trajetória já consolidada. Antes de embarcar na turnê dos Tribalistas, que tem início em 28 de julho, em Salvador, o cantor e compositor queria se dedicar a um trabalho próprio, agora, no primeiro semestre. Se adiasse, ficaria só para 2019. Aproveitou que os sambas e os rocks estavam latentes em sua produção mais recente de composições, seja sozinho, seja em parceria, e resolveu retomar uma antiga ideia: fazer uma incursão pelos dois gêneros musicais. Não como uma fusão dos dois, como acontece com o samba-rock, mas “atritando” ambos – como o próprio Arnaldo define -, ao alternar uma música de um gênero com a de outro.

E é assim, uma na sequência da outra, que elas aparecem em seu novo disco, RSTUVXZ, já disponível nas plataformas digitais e, a partir do início de junho, em versão física. Decodificando essas letras, chegam-se ao R de rock e S de samba. E as demais? “O começo é bem RS: um samba, um rock… E, a partir do Pense Duas Vezes Antes de Esquecer (a única que não é inédita, em parceria com Marcelo Jeneci e Ortinho), passa a flertar com outros gêneros. Aí entra o TUVXZ (risos)”, diz Arnaldo, em entrevista, em sua casa, na zona oeste de São Paulo.

“Depois, tem Céu Contra o Muro, que é um rock mais pinkfloydiano. Tem Serenata de Domingo, que flerta um pouco com a soul music, já é uma coisa diferente, mas, de certa forma, mantém o conceito até o final, com exceção de Orvalhinho do Mar, que é um acalanto: quem chega ao final do disco tem uma nova surpresa, que não é rock nem é samba.”

De volta aos gêneros que dominam RSTUVXZ, Arnaldo conta que a coexistência dos dois no mesmo trabalho nasceu de sua vontade de fazer um disco que avançasse para o samba e, ao mesmo tempo, da saudade de cantar rocks mais pesados. Reflexo da própria formação musical eclética que encontrava em sua casa, graças a seus irmãos e seus pais, e que o inspirou desde a infância. “Em vez de pensar em dois blocos, como eu tinha pensado antes – havia até pensado em dar o nome de Bipolar para o disco (risos) -, falei: ‘é mais interessante fazer uma alternância de um para o outro pelo próprio susto”, conceitua.

Foto: Gabriela Biló/Estadão