Alvo de CEI, Zeitune agora é denunciado por improbidade administrativa

Por Rômulo Magalhães

Após ser alvo de uma Comissão Especial de Investigação (CEI), que apura suposta extorsão a empresário, agora o vice-prefeito, Alexandre Zeitune (Rede), terá mais uma denúncia para explicar.

Ontem o empresário Ricardo Nunes de Souza protocolou na Câmara Municipal documento que denuncia possíveis atos de improbidade administrativa de quando este ocupava o cargo de secretário de Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secel). Com 28 páginas, a denúncia aponta que o ex-secretário acertou com a empresa Braspress, sem licitação e nenhum tipo de contrato, o transporte de 42 mil kits de uniforme da rede municipal de ensino em 2017.

Souza é responsável pela empresa WR Serviços e Logística, a qual possuía contrato de prestação de serviços de logística de distribuição de bens nas escolas que compõem a rede municipal da Prefeitura de Guarulhos. Este contrato, no valor de R$ 689 mil, foi firmado em novembro de 2016, pelo então secretário de Educação, Moacir de Souza.

O documento aponta que em janeiro de 2017, a vencedora do certame iria iniciar a distribuição, mas quando foi fazer a retirada no armazém, onde estavam os produtos, a empresa Fersim do Brasil, responsável pelo depósito, não liberou a retirada. A Fersim alegou que “haviam várias inadimplências por parte da Secretaria de Educação, no que se refere a todos os acordos firmados e não cumpridos pelo secretário Alexandre Zeitune”.

Sabendo da situação, Zeitune colocou a culpa na WR e pediu para que funcionários da pasta entrassem em contato com a Braspress para realização do serviço. “A secretaria possui a WR como empresa contratada, porém combinou com outra transportadora para a execução dos serviços, sem observar as questões administrativas e legais e pelo que sabemos sem contrato algum para esta finalidade”, diz documento.

Além do histórico, o documento que pede para que os vereadores apurem a denúncia, conta com o contrato entre prefeitura e WR, e-mail da Secretaria de Educação com pedido a Braspress, e controles de acesso da empresa Fersim do Brasil, que confirma a entrada e saída de funcionários da pasta no local. Além disso, há um pen drive com fotos e vídeos do trânsito da Braspress.

Zeitune nega e diz que levará caso ao MP
Procurado, Alexandre Zeitune informou que não foi notificado sobre a denúncia e por isso desconhecia o teor. No entanto, ele explicou que a Braspress prestou um serviço solidário, isto é, de forma gratuita. Por isso, o empresário Ricardo Nunes de Souza o estaria atacando.

“Ele está o tempo todo tentando me atacar e falando de algo que aconteceu em fevereiro e março do ano passado. Ele deveria ter mandado para a Controladoria Geral do Município, por que será que está enviando à Câmara? Nada procede”, explicou.

Segundo Zeitune, em novembro ele fez uma representação criminal contra Souza. “Ele vinha me atacando muito na internet e falando muitas calúnias e difamações, entre outras coisas injuriosas no Facebook. É uma pessoa que está muito brava comigo porque cortei esses contratos para viabilizar o pagamento de professores, entre outros”, destacou o vice-prefeito que ressaltou que assim que tomar ciência levará o caso ao Ministério Público. “Eu estou pronto para isso porque tenho convicção das minhas coisas”, disse.

Foto: Rômulo Magalhães