Adotar é um ato de amor! Não compre animais de estimação, adote!

Regina Pereira

Quando um animal vai para um abrigo, ele fica à espera de alguém que o adote, o que nem sempre acontece. A maioria dos animais adultos ficam “encalhados” nos abrigos, esperando o dia em que um “anjo” chegará e irá levar-lhes para casa. E para a maioria deles esse dia demora muito a chegar. Muitos passam o resto de suas vidas a “espera de um milagre”.

Mas você pode mudar a história de vida desses animais. Eles só precisam de uma chance! Ao adotar um animal, você estará salvando uma vida e certamente estará ganhando um grande amigo. Mas para isso é preciso ter responsabilidade!

Posse responsável

A escolha de um cão ou gato não é um processo fácil, embora muitas pessoas não acreditem nisso. A maioria normalmente escolhe um animal apenas considerando beleza e porte, esquecendo-se das particularidades de cada um, como pelos longos que necessitam escovação diária, predisposições à doenças degenerativas, temperamento mais ou menos agitado, comportamentos destrutivos em casa, tamanho maior do que o esperado, necessidade de interação e socialização, adaptabilidade com outros animais, são fatores que dificilmente são levados em consideração, e que mais tarde são responsáveis por altos índices de abandono ao longo da vida do animal.

Cães de grande porte podem apresentar displasia coxo-femoral, o que causa extrema dor e pode levar à incapacitação física. Alguns cães são agitados e frequentemente destroem tudo o que encontram pela frente. Outros latem demais, há os que possuem tendências à doenças alérgicas.

Uns não gostam de ficar sozinhos em casa, outros fazem cocô e xixi no lugar errado, alguns choram durante a noite e há aqueles que latem demais cada vez que a campainha toca.                   

Tudo isso e muito mais deve ser levado em conta ao escolhermos o animal que irá conviver conosco por cerca de 15 anos ou até mais.   Como manejar um comportamento que não é o ideal? Haverá tempo disponível? Haverá paciência? Haverá espaço suficiente? Haverá recursos financeiros para arcar com possíveis procedimentos e tratamentos veterinários? São questões importantes que não devem ser ignoradas.

Pense bem em seu estilo de vida antes de adotar um animal. Mais do que isso, ele precisará de atenção, amor, e carinho sempre! Assim como você, ele sente frio, sede, fome, solidão e pode adoecer.

Veja se você tem o perfil para ter em casa um animal de estimação e torná-lo membro da sua família. Lembre-se, quando mudar de casa, ele deverá ser levado me conta, quando for viajar, também. Enfim, faça uma avaliação de todos esses aspectos antes de aumentar sua família!

Antes de adotar um animal, tenha certeza…

Se sua casa ou apartamento tem espaço suficiente para o amiguinho escolhido, se há segurança nas sacadas, janelas, portões. Se ainda não providenciou isso, trate de fazê-lo o quanto antes, pois são fundamentais para a segurança. Se você está realmente disposto a cuidar dele por toda a vida. Cães e gatos chegam a viver de 10 a 20 anos.

Se em suas férias e nos períodos de ausência haverá pessoas para cuidar dele. Se toda a família está de acordo em receber o novo integrante. Se você está disposto a arcar com as despesas de um animal. Além de amor, alimentação e abrigo, ele vai precisar eventualmente de cuidados veterinários e remédios. Ele é um ser vivo e sensível, não um produto que pode ser trocado ou jogado fora ao apresentar “problemas” ou tornar-se “obsoleto”.

Se você mora em apartamento ou numa casa com um pátio pequeno, analise se você terá tempo e disponibilidade para passear com ele. Animais necessitam de exercício físico com regularidade. Ele não ficará sozinho em casa por longos períodos. Cães deixados presos latem, choram, ficam estressados e, com isso, acabam “aprontando” para se distrair.

A adoção de um animal abandonado muda a vida dele para sempre. Porém não é somente a vida do animal adotado que muda. A vida de quem adota muda também. Será necessário abdicar de longas férias fora da cidade, dedicar alguns minutos por dia para passear, brincar, rolar no chão e aceitar lambidas molhadas e cheias de carinho. Limpar cocô e xixi e quem sabe até trocar o sofá, gastar dinheiro com guias e coleiras (muitas), conhecer novas pessoas (preferencialmente que gostem de animais). E para compensar tudo isso, se deliciar com as caras e bocas do seu melhor amigo, que estará crescendo saudável e cheio de energia ao seu lado. Para adotar enviar e-mail para: adote@lardaregina.org.br.

Imagem: Divulgação