Administradores do Guarulhense falam do sentimento na construção do projeto do clube

“Eu sou muito feliz em fazer parte do Guarulhense”. Apesar da frase ser de Valéria Resende, diretora financeira do Guarulhense, o significado dela resume o sentimento de toda a diretoria do clube em fazer parte de um projeto que contempla cerca de 600 atletas na cidade de Guarulhos.
Valéria tem um papel fundamental no Galo. Ela cuida de contas a receber e contas a pagar, além do controle financeiro do caixa. Sem um fluxo equilibrado, o time é retirado de campo. “Tenho muito prazer em contribuir, mesmo que de forma singela, para um trabalho tão grandioso”, completa.
“Nosso pessoal está muito empenhado na busca pelo patamar que queremos alcançar. Pessoas como a Valéria, o Valtinho Ribeiro e o Chico (doutor Francisco Amorim, vice-presidente) ajudam demais no administrativo. Claro que eles contam com o apoio dos nossos coordenadores e professores, que também são cruciais nessa engrenagem”, afirma Carlos Alberto Fernandes, o Carlinhos, presidente do Guarulhense.

Novos diretores, novos rumos

O Galo não vive – e nunca viveu – só de futsal. Além da modalidade, o clube já investiu em vôlei, basquete, society, badminton, caratê, dominó, baralho, xadrez e boxe. Além deles, o clube prepara a inserção do esporte mais amado do país no seu relatório de atividades desenvolvidas.
O projeto do futebol, criado e desenvolvido desde o ano passado, é administrado por Caê Mendroni. “Teremos um conselho gestor com 10 diretorias e oito departamentos, que passa pelo administrativo, até chegar no futebol, que é a ponta”, explica Mendroni.
Um dos departamentos estabelecidos por Caê é o jurídico. O setor já conta com diretor e gerente, além do vice-presidente do clube ser advogado. “A função será de conduzir as diretrizes legais e jurídicas relacionadas exclusivamente ao departamento de futebol do Guarulhense”, relata Clovis Thomaz, diretor jurídico.
“O sentimento é de muita alegria e uma expectativa muito boa. Eu e o doutor Edgar estamos certos do alcance do projeto e do futuro de conquistas esportivas que projetarão a cidade de Guarulhos para uma posição de destaque no esporte do país”, acrescenta Thomaz.
O Edgar mencionado por Clóvis é Edgar Cassila, gerente jurídico, que divide a mesma sensação do companheiro de profissão – e de clube – sobre a nova ação do Guarulhense. “Fico muito motivado em fazer parte desse projeto, que nasce do empenho e da união de pessoas que tem o objetivo comum de fazer o Guarulhense um grande clube que a cidade merece”, finaliza Cassila.