Acesso entre pistas da Dutra será ampliado para amenizar impactos de ponte interditada em SP

Lucy Tamborino

A CCR NovaDutra e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) devem estender o horário de funcionamento do acesso provisório da rodovia Presidente Dutra próximo ao km 229, entre as pistas local e expressa, até o fim do horário de pico, por volta das 21h. A ação visa minimizar os impactos do fechamento do acesso à rodovia na marginal Tietê. O compromisso foi assumido durante uma reunião convocada ontem pelo Ministério Público Federal (MPF) de Guarulhos.

O procurador da República, Guilherme Rocha Göpfert, destacou durante a reunião a preocupação com os impactos no trânsito com o fechamento da ponte. “Não é um fechamento de uma semana, um mês. A interdição da ponte tem causado diversos problemas” disse.

O MPF deve ainda fazer uma recomendação para que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) analise a possibilidade de obras. “Nós vamos fazer uma recomendação para que a ANTT analise em cinco dias a documentação enviada pela CCR Nova Dutra”, disse Göpfert explicando que o prazo deve contar a partir do envio, previsto para até amanhã.

As obras tratadas foram enviadas pela Nova Dutra ao órgão e tratam da abertura em tempo integral de acesso de pista local, próximo ao km 229, para pista expressa. “Nosso corpo de engenharia está em contato com ANTT para aprovação. Quando eu falo que já mandei vai parecer que eu estou colocando a responsabilidade no órgão fiscalizador, mas nós trabalhamos em conjunto. Aprovando, em 10 dias conseguimos realizar a obra”, disse Virgílio Leocádio, gestor de atendimento da concessionária.

Segundo ele, pode parecer um projeto simples, porém é necessário resolver o volume de água que vem de declive e nivelar de uma maneira que a água não se acumule na pista.

Conforme o secretário de Transportes e Mobilidade Urbana de Guarulhos, Paulo Carvalho, com o fechamento da ponte houve impacto no trânsito e no transporte coletivo. “Nós temos um controle de viagem, quanto mais demorado maior o subsídio que a prefeitura paga”, explicou.

A ponte foi interditada após a vistoria apontar problema semelhante da ponte em Pinheiros. O engenheiro Mário Mandolfo, da Secretaria de Infraestrutura Urbana da Prefeitura de São Paulo não passou um prazo exato para liberar a ponte, mas explicou que isso deve acontecer em até seis meses. “O da ponte na Marginal Pinheiros também era seis meses, mas entregamos em quatro. Neste também faremos o possível para antecipar a liberação”, disse.

Imagem: Lucy Tamborino