A medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Tóquio já está garantida

Serginho Freitas

A partir do dia 24 de julho todas as atenções estarão voltadas para a cidade de Tóquio, no Japão, para os Jogos Olímpicos 2020. E o Brasil, que terá um grande número de atletas participando em quase todas as modalidades, já recebeu um reforço especial na cozinha. Trata-se do chef Allan Credendio Sales, que deixou o Rio de Janeiro com sua família para coordenar toda parte de alimentação dos atletas brasileiros.

Sales, que é formado em gastronomia pelo Senac, já está por lá há quase dois anos trabalhando na pré preparação de tudo, mostrando que nestes jogos nosso país não está para brincadeira.

A história dele é muito bacana, e serve de exemplo para todos que têm algum tesão na gastronomia. “Eu comecei como ajudante de cozinha. Estudei muito e virei cozinheiro. Com as experiências adquiridas ao lado de grandes cozinheiros me transformei em chef. E vou ser bem sincero, quando comecei a cozinhar nunca pensei em ser cozinheiro o resto da vida, acho que quando lavei minha primeira alface na cozinha ou limpei o primeiro camarão a minha cabeça já estava focada em meu objetivo. Tanto que tenho essa responsabilidade hoje porque me esforcei e me dediquei. Com certeza este é o meu maior desafio profissional de minha vida, mas estou muito bem preparado para cuidar de toda a nossa delegação”, contou Sales.

Ele coordenará sete cozinhas durante a aclimatação e treinamentos, já que muitos atletas chegarão bem antes para, principalmente, se adaptarem ao fuso horário e cotidiano. Após este período de adaptação será montada uma cozinha oficial brasileira, em frente a vila olímpica, onde os atletas terão o melhor da gastronomia brasileira.

“Estamos nos preparando para servir 35 mil refeições entre café da manhã, almoço, café da tarde e jantar. Serão quatro toneladas de arroz, quase três toneladas de feijão, 2.800kg de carne vermelha de boi, 3.000kg de peixe, 2.500kg de porco e 2.800kg de frango e frios. Teremos apoio de 18 alunos do último ano de gastronomia de uma faculdade do Brasil que atuarão como estagiários e também vamos contar com a parceria de um fornecedor da província de Aichi”, explicou.

Além deste trabalho, na organização dos jogos olímpicos, ele aproveita seu tempo livre para conhecer mais a cultura gastronômica japonesa, e de outras regiões, sempre postando em suas redes sociais (instagram.com/allancredendio) as descobertas que faz.

Agora se ligue no bate papo exclusivo que tivemos.

Folha Metropolitana – Hoje o chef Alan Sales está do outro lado do planeta cozinhando. Qual a principal dica que você deixaria para a galera que está começando no mundo da gastronomia?

Allan Credendio Sales – Não se iludir e sempre ter humildade em dizer “não sei”. Hoje em dia muita gente sabe tudo e quem sabe tudo não aprende nada. Talvez deixar o ego de lado seja um dos principais princípios, mas acima de tudo ter vontade e gostar do que faz. Muitos dizem cozinhar por amor, mas nem sempre é só o amor que leva a ascensão de uma carreira. É necessário muito mais! Não ter preguiça, saber trabalhar em equipe, saber ouvir, acho que em toda profissão essas dicas são básicas.

Um dos seus projetos no Brasil, e que você tem um carinho enorme, é o Burgertopia. Como ele surgiu?

Burgertopia surgiu em uma oportunidade de comemorar o dia mundial do hambúrguer. Eu e o meu sócio Jimmy Mcmannis, mais conhecido como Jimmy OGRO da Ana Maria Braga, juntamos uma galera que gostava de cozinhar e criamos umas receitas. O evento foi um sucesso, pois naquela época não era moda o burger e não tinha nenhuma hamburgueria na cidade além das redes de fast food. Deu tão certo que rodamos muito pelo Brasil afora. Inclusive estivemos em Guarulhos duas vezes! No total foram sete estados e estivemos nos melhores eventos do Brasil. Abrimos uma loja fixa que durou pouco mais de um ano. Como estávamos envolvidos em muitos projetos decidimos fechar o espaço fixo. Mas o projeto ainda roda eventos com nosso food truck. A querida e famosa Kombinha.

Aqui em Guarulhos a atual administração está investindo na qualificação do jovem com vários cursos, e um dos mais procurados é o de gastronomia. Na sua opinião, qual a importância deste tipo de projeto?

Antigamente quando comecei a cozinhar as pessoas começavam a profissão por não saber fazer mais nada. Hoje elas têm oportunidade de aprender e se capacitar. Antes aprendia trabalhando! Acho muito bom que os jovens tenham essa oportunidade de se especializar numa profissão ainda novos. Assim podem optar e passar por diversas áreas até encontrarem o que realmente gostam e não mais por falta de opção.

Nos últimos 18 meses, em Guarulhos, mais de 20 novos empreendimentos relacionados a gastronomia surgiram. Qual dica você dá para quem já está no mercado e para os que querem entrar?

Acho que organização e dedicação é a fórmula principal para um negócio dar certo. Precisa se atualizar, saber o que o mercado está pedindo, ter pessoas de confiança trabalhando ao seu lado e ter padrão no funcionamento. Esse é o princípio de um comércio forte e resistente as intempéries do mercado.